Quarta-feira
29 de Janeiro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Nome
Email

NOVOS JUÍZES FEDERAIS VISITAM A PENITENCIÁRIA FEMININA DA CAPITAL

Como parte da programação do Curso de Formação Inicial do XIX Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz Federal Substituto da 3.ª Região, a Escola de Magistrados (EMAG) realizou, no dia10/1, uma visita à Penitenciária Feminina da Capital. O Ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogério Schietti; o Desembargador Federal José Lunardelli, Diretor da EMAG; a Juíza Federal da 4.ª Vara Criminal de São Paulo, Barbara de Lima Iseppi; e a Antropóloga Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer acompanharam os 23 novos magistrados da Justiça Federal em São Paulo e Mato Grosso do Sul durante a atividade. Após a visita, com a presença da Presidente do Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF3), Desembargadora Federal Therezinha Cazerta, a EMAG promoveu uma roda de conversa para os participantes debaterem a experiência. O Ministro Rogério Schietti parabenizou a Escola pela iniciativa, que, segundo ele, foge do padrão de cursos de formação inicial de magistrados. Para Schietti, a vivência da realidade em presídios e em outras instituições é salutar para a formação integral e holística do Juiz. “A maneira de tratar o acusado preso é o que diferencia o Estado da barbárie. Ali estão seres humanos, que muitas vezes cometem crimes, mas que, pior do que possam parecer, ainda têm uma humanidade dentro deles, e há uma chance de recuperação”, afirmou. A Presidente do TRF3 lembrou sua atuação como Procuradora do Estado no antigo Presídio do Hipódromo, em São Paulo, e falou do cuidado que o magistrado deve ter ao tomar decisões que possam modificar para sempre a vida das pessoas. “São vidas que serão impactadas para sempre e que, no geral, não tiveram as mesmas oportunidades. Pelo contrário, foram colocadas em situações que as levaram à criminalidade. É preciso ver essas pessoas como seres humanos, menos favorecidos, que precisam de oportunidades, de atenção e de esperança de conseguirem uma vida melhor.” A Desembargadora Federal Therezinha Cazerta enfatizou a importância de os Juízes atuarem também fora dos seus processos. “Julgar uma situação que já vem posta é simples. O Poder Judiciário tem que fazer muito mais que isso. Tem que sair do lugar cômodo e agir de forma efetiva para que o mundo seja melhor para todos.” O Diretor da EMAG falou sobre a inserção das visitas às penitenciárias e a outras instituições no programa de cursos de formação dos novos magistrados. “A ideia desses estudos é observar um pouco além das evidências e das aparências. O objetivo é levar o magistrado a conhecer múltiplas realidades, equipamentos públicos e privados que podem ter conexão no futuro”, declarou. Coordenadora da atividade, a Juíza Federal Barbara de Lima Iseppi também destacou a importância de os novos Juízes Federais conhecerem locais que podem ter relação com o exercício da Magistratura. “Essas atividades são de extrema importância, pois elas causam uma sensibilização do magistrado em relação às possíveis consequências que a prolação de uma sentença pode ocasionar na vida de uma pessoa. Ter contato com a pessoa que está sendo julgada, saber que é uma vida e que, apesar de ter cometido o crime, ela pode ser reinserida na sociedade e se recuperar é fundamental”, opinou. Antropóloga e Professora da USP, Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer salientou o fato de o curso de formação inicial combinar aulas teóricas, conferências e visitas, como a realizada na Penitenciária Feminina da Capital. “Há um tipo de aprendizado que vem pela experiência vivida e não pelos livros, que não é teórica e que também é muito importante como aprendizado. A importância deste tipo de visita é despertar, em quem está entrando na Magistratura, a consciência das fortes consequências de uma decisão. É algo que vai mudar o rumo da vida de uma pessoa, talvez de forma impossível de ser revertida depois.”   Fotos: ACOM/ TRF3  Magistrados participam de debate sobre o sistema carcerário brasileiro na Emag  Presidente Therezinha Cazerta fala para os novos magistrados na Emag  Ministro Rogério Schietti do STJ também participou do debate  A Antropóloga Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer ressaltou a importância da atividade  Desembargador Federal José Lunardelli, Desembargadora Federal Therezinha Cazerta, Ministro Rogério Schietti e Juíza Federal Barbara Iseppi Assessoria de Comunicação Social do TRF3  
14/01/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  207362