Quarta-feira
19 de Fevereiro de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Newsletter

Nome
Email

Inválida intimação eletrônica de município através de e-mail pessoal do Prefeito e Vice

Inválida intimação eletrônica de municípioatravés de e-mail pessoal do Prefeito e ViceA 5ª Câmara Cível do TJRS julgou improcedente pedido de reforma de decisão que negou possibilidade de intimação de município por meio do e-mail pessoal do Prefeito.Na ação, a parte autora do processo, em pedido de cumprimento de sentença movido contra o município de Salvaterra, no Estado do Pará, solicitou a intimação do município através do e-mail pessoal do Prefeito da cidade. Sob a alegação de que o envio de carta precatória para aquele Estado acarretaria em morosidade processual.DecisãoO relator do processo, Desembargador Jorge Luiz Lopes do Canto, afirmou que: para a intimação por meio eletrônico ser eficaz é necessário que o Município possua cadastro atualizado nesta Corte, a fim de que seja garantida a ampla defesa e o contraditório, diante da necessidade de que o ato processual seja efetivo, não podendo ser presumida a realização deste, como ocorreria com a remessa.Segundo o magistrado, o Código de Processo Civil dispõe que a intimação por meio eletrônico não ocorre com a simples remessa de mensagem eletrônica a um procurador do Município ou ao Prefeito do ente público pois deve observar o disposto no art. 246, inciso V, parágrafos 1º e 2º do CPC.                                                                                                                             ¿Mostra-se inválida e ineficaz a intimação realizada por meio eletrônico do Município agravado, diante da ausência de cadastro atualizado junto a esta Corte, ainda mais na forma pleiteada pelo agravante que seria com a remessa de correspondência para o endereço eletrônico pessoal do Prefeito e Vice-Prefeito do Município, sem que este ente público indicasse o email específico para ser efetivado o referido ato processual, a teor do que estabelece o art. 276 do Código de Processo Civil¿, decidiu o relator.O voto foi acompanhado pelos Desembargadores Isabel Dias Almeida e Jorge André Pereira Gailhard.Processo nº 70080600539 EXPEDIENTETexto: Rafaela SouzaAssessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arendimprensa@tjrs.jus.br Publicação em Wed Jan 22 17:28:00 BRT 2020 Esta notícia foi acessada: 7 vezes.
22/01/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  208138